ERA UMA VEZ UM CASAMENTO! SÍLVIA & PEDRO

 

... suspiro!
Faltam-nos horas aos dias, sono às noites, mas nunca sal à vida.
Andamos neste rebuliço de viver tantas formas de amor que nos falta o tempo para apaziguar a espera e agraciar estas páginas com tantos e tão bons momentos que temos guardado.

De sábado trazemos a imagem de hoje, o dia que marcou o início de uma maratona de dez dias consecutivos a fotografar.
Mas ainda que o cansaço tente ocupar espaço, é assim que nos inspiramos, que recarregamos o nosso nível de criatividade ao seu expoente máximo e que cumprimos a nossa meta de sermos felizes.

Com amigos de amigos, entre amigos!
De uma forma tão intensa que as emoções tomam conta de nós e nos transportamos para uma qualquer dimensão paralela onde o mundo é verdadeiramente um lugar feliz.
Depois? Depois cai a noite… o sentimento de dever cumprido leva-nos a máquina a encontrar caminho até uma mesa qualquer, os pés rumam à pista de dança e os braços ao encontro destes noivos, os nossos, os melhores, sempre!
Eternamente agradecidos, mesmo que com os pulsos doridos, os pés cansados, não há nada que substitua o que nos invade depois de um dia destes.
Não há nada que substitua estas horas de trabalho intenso que recordamos em versão de dias felizes, nada que nos faça sentir mais vivos, mais realizados… mais nós.

Alguém que admiramos disse que o que mais transparecia nas suas fotografias era o facto de não ter medo de se apaixonar pelas pessoas que fotografava.*
E é isto! Tão isto! Só isto!

Estas pessoas são nossas sem o serem, somos nós inteiros e completos durante aqueles momentos em que a nossa forma de estar é a sua história.
E as nossas pessoas são sempre assim: de apetecer levar para casa!

Obrigada Sílvia e Pedro!
Se não desse muito trabalho viveríamos este dia uma e outra vez, numa repetição interminável com o sentido de eternidade que queremos sempre que tenham todas as coisas boas!

Foi assim:

* " A thing that you see in my pictures is that I was not afraid to fall in love with these people." Annie Leibovitz

28 de Julho de 2015

Comment